Salada Verde

Ricardo Salles assume oficialmente relatoria da CPI do MST na Câmara

Coronel Luciano Zucco (Republicanos-RS) será presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, que vai investigar ações e financiadores do MST

Cristiane Prizibisczki·
17 de maio de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

A Câmara dos Deputados instalou, nesta quarta-feira (17), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar ações do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) e quem seriam os financiadores dessas ações.

A relatoria da CPI ficará sob responsabilidade do ex-ministro Ricardo Salles, que atualmente ocupa o cargo de deputado federal pelo PL-SP. O nome dele havia sido anunciado para o cargo no dia 6 de maio, após reunião de líderes. 

A presidência será do deputado tenente-coronel Luciano Zucco (Republicanos-RS). O primeiro e segundo vice-presidentes, respectivamente, são os deputados Kim Kataguiri (União Brasil-SP) e o delegado Fábio Costa (PP-AL).

A sessão de instalação da CPI e eleição do presidente e vice-presidentes aconteceu no início da tarde desta quarta-feira.

Segundo levantamento da CNN, a CPI conta com 40 deputados ruralistas, ligados à Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), e apenas 14 governistas. A oposição deve tentar usar a CPI para conectar as recentes invasões do MST a imóveis rurais do país ao Palácio do Planalto.

Para a deputada Sâmia Bonfim (PSOL-SP), o deputado Ricardo Salles deveria estar impedido de assumir a relatoria da CPI por ser investigado pelos crimes de corrupção, prevaricação e organização criminosa na venda de madeira ilegal proveniente da Amazônia. 

“Mais do que isso, o deputado Ricardo Salles tem interesse econômico relacionado a essa pauta”, disse ela, referindo-se aos principais doadores de campanha do ex-ministro, entre eles grandes latifundiários.

A deputada ainda lembrou que, em 2018, quando concorria ao cargo de deputado federal – ao qual não foi eleito – a campanha de Salles fazia apologia à criminalização do MST.

Panfleto usado por Salles durante sua campanha em 2018. Novo repudiou material e pediu sua retirada de circulação. Imagem: Reprodução
  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
31 de janeiro de 2023

Em 12 anos, Pará só recuperou um dos mais de 10 mil imóveis cancelados por grilagem no estado

Pesquisa revela caos na política fundiária paraense. Líder no desmatamento da Amazônia, estado não sabe o status de 10.396 imóveis registrados ilegalmente

Notícias
31 de agosto de 2022

MST lança candidaturas para enfrentar bancada do agronegócio

Movimento recordista na produção de arroz e feijão orgânicos no país espera conquistar vagas nos legislativos federal e estaduais

Notícias
21 de dezembro de 2021

Campeão em violência no campo, MA tem quase metade de seu território sem destino fundiário

São 11,8 milhões de hectares ainda aguardando destinação no Estado. Lei de Terras maranhense tem fragilidades e estimula grilagem, mostra estudo

Mais de 5abet

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários2

  1. MARCO ANTONIO ARAUJO MARTINSdiz:

    Mais uma reportagem corroborando a tendencia esquerdopata da ONG. Assunto fora do contexto.


  2. GASPAR ALENCARdiz:

    Ouvimos certa vez alguém, fazendo a seguinte pergunta. Quem já leu a CF toda? No final o BR se salva?