Salada Verde

Os caminhos para integrar a natureza brasileira aos espaços urbanos

Livro recém-lançado do botânico e paisagista Ricardo Cardim apresenta propostas para um paisagismo sustentável e para superar os atuais problemas dos espaços verdes urbanos

Duda Menegassi·
3 de novembro de 2022·1 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Nos últimos séculos, o mundo testemunhou o nascimento de metrópoles pulsantes, associada a uma acelerada expansão urbana e das fronteiras da ocupação humana. Esse império do antropoceno construiu-se majoritariamente às custas da destruição da natureza, onde o desenvolvimento e o mundo natural eram opostos numa equação pelo domínio do espaço. Atualmente a importância das áreas verdes é reconhecida globalmente e cada vez mais a humanidade tem se questionado sobre quais as melhores formas de convívio entre homem e natureza. Com este desafio em mente, o botânico e paisagista Ricardo Cardim produziu o livro “Paisagismo sustentável para o Brasil: Integrando natureza e humanidade no século 21”, fruto de sete anos de pesquisa e escrita, e que foi lançado recentemente.

O pesquisador, que cresceu na metrópole paulistana, viu na sua infância parte desse processo, com quintais sendo substituídos por prédios de concreto. “No lugar das jabuticabeiras, figueiras-brava e grumixamas em meio a alegres canteiros caseiros de plantas misturadas, surgiram rígidos jardins comerciais com a monotonia das mesmas plantas ornamentais exóticas, como areca-bambu e cicas, que também estavam em muitos outros lugares, até quando eu ia para a praia e o campo”, lembra Ricardo em um dos trechos da obra.

No livro, o botânico une ciência e prática para apresentar uma nova visão do paisagismo e do relacionamento humano com a natureza, e os caminhos possíveis para superar problemas históricos de ocupação e destruição desordenada do ambiente natural.

O livro é dividido em duas partes. A primeira, dedica-se a apresentar o contexto histórico das cidades dos primeiros séculos do Brasil, a origem da escolha das plantas para o paisagismo, e os problemas atuais no paisagismo e arborização urbana no país brasileira. Já na segunda parte, Ricardo se debruça sobre os caminhos para construir um paisagismo sustentável, integrado com a biodiversidade nativa, com os biomas brasileiros e como ferramenta para restauração da vegetação.

Livro “Paisagismo sustentável para o Brasil: Integrando natureza e humanidade no século 21”

Autor: Ricardo Cardim

Editora Olhares

Número de páginas: 320

Ano 2022

Acesse o link para mais informações

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Colunas
18 de abril de 2022

O Brasil precisa retomar sua história de sustentabilidade

Serão necessários gestores competentes e ampla participação social para retomar e aprimorar as políticas públicas ambientais

Reportagens
7 de abril de 2022

Governo premia construtora de Belo Monte com selo de sustentabilidade; Atingidos rebatem

Selo concedido pelo Ministério do Desenvolvimento Regional gera questionamentos sobre falhas de gestão socioambiental da Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Análises
3 de dezembro de 2020

Cidades sustentáveis exigem prefeitos sustentáveis

Políticas públicas de meio ambiente são, por definição, transversais. Ao agirem sobre uma territorialidade, elas impactam tudo o que se conecta com aquele local

Mais de 257bet

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários1

  1. Leandro Travassosdiz:

    Ótimo tema. Nas metrópoles até os quintais estão ameaçados de extinção. Nossos quintais e praças deveriam incorporar a rica flora e brasileira. Principalmente da Floresta Atlântica. Já existem iniciativas pontuais da população para fazer isso, mas a maior parte da sociedade ainda não conhece as árvores nativas. Precisamos de políticas públicas e ações mais fortes. Por aqui, plantamos as espécies da Floresta Atlântica de Baixada Costeira. Cambucá, guabiroba, grumixama, Pau-Brasil, etc.

    https://www.gdwadan.com/noticias/apenas-11-dos-quintais-da-zona-norte-do-rio-possuem-arvores/#:~:text=Segundo%20Vera%2C%20apenas%2011%2C40,da%20popula%C3%A7%C3%A3o%20residente%20do%20munic%C3%ADpio.