Salada Verde

É oficial: ano de 2023 foi o mais quente já registrado pela humanidade

Temperatura média global no último ano foi quase 1,5°C mais alta do que era pré-industrial e superou 2016 na posição de ano mais quente já registrado. Veja destaques do relatório

Duda Menegassi·
9 de janeiro de 2024
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O clima esquentou em 2023, literalmente. O que muitos sentiram na pele com ondas de calor que ocorrem em diferentes locais do mundo, inclusive no Brasil, os dados do Copernicus divulgados nesta terça-feira (9) acabam de confirmar, com números assustadores. O ano passado foi o mais quente já registrado pela humanidade, com uma temperatura média global de 14,98°C, acima do registrado em 2016 – que detinha o título de ano mais quente até então – e quase 1,5°C acima dos patamares pré-industriais. 

As medições e monitoramento do clima global começaram em 1850. Essa janela entre 1850 e 1900 é conhecida como o “patamar pré-industrial”, pois revela a temperatura média do mundo antes do carvão começar a queimar nas fábricas. Esse marco é usado como referência, por exemplo, no Acordo de Paris, que estabelece o compromisso de restringir o aumento da temperatura em menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais, com esforços para que este aumento não ultrapasse os 1,5°C, considerado um limite “seguro” para nossa vida no planeta.

Se alguém ainda questionava a palavra crise ao se tratar da situação climática, a temperatura média de 2023 reforça o alerta. O ano ficou 1,48°C acima dos patamares pré-industriais. E é provável, de acordo com os dados do Copernicus, que até o final de janeiro ou fevereiro de 2024, a humanidade complete 12 meses com uma média já acima dos 1,5°C acima dos níveis pré-industriais. Ou seja, o Acordo de Paris é agora.

No último ano, cada um dos meses de junho até dezembro bateram recordes de calor. E os meses de julho e agosto foram os mais quentes já registrados.

Além disso, o ano de 2023 marca a primeira vez em que todos os dias, de 1º de janeiro a 31 de dezembro, ficaram 1°C acima da era pré-industrial. E quase metade deles ultrapassaram a marca de 1,5°C mais quente do que o patamar 1850-1900. Durante dois dias de novembro a situação foi ainda mais crítica e, pela primeira vez, ultrapassamos os 2°C acima da média pré-industrial. 

Outro recorde angariado por 2023 ocorreu no Ártico, onde o gelo marinho atingiu mínimas históricas de extensão diárias e mensal em fevereiro. Ao todo, durante oito meses do último ano, a extensão de gelo ficou abaixo do normal.

O ano de 2024 pode ser ainda mais quente, alerta o relatório do Copernicus, “com uma probabilidade razoável de que o ano termine com uma temperatura média superior a 1,5°C acima do nível pré-industrial”.

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Reportagens
14 de dezembro de 2023

Com crise climática, falar de regularização na Amazônia é dever de todos

Dar um destino para terras públicas da floresta tropical diminui a pressão por desmatamento, maior fonte de emissões no Brasil.

Notícias
13 de dezembro de 2023

9 em cada 10 brasileiros perceberam mudanças climáticas nos últimos anos, diz pesquisa

Percepção aumentou em relação à pesquisa do ano passado; 92% dos entrevistados dizem que a ação contra o aquecimento global deve ser imediata

Reportagens
13 de dezembro de 2023

COP 28: O começo do fim dos combustíveis fósseis

Em decisão histórica, nações concordam em iniciar o processo de descarbonização do planeta e acabar com o desmatamento. Porém, não dizem como vão fazer

Mais de sportradar

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.