Reportagens

Um enigma nas florestas nebulosas da serra catarinense

Carente de mais estudos, uma planta restrita a áreas isoladas do Parna de São Joaquim é ameaçada até pela crise global do clima

Aldem Bourscheit·
19 de dezembro de 2023

Isolada num parque nacional encravado no planalto catarinense, uma planta começa a ter seus segredos revelados pela Ciência após décadas de seu descobrimento. Enquanto isso, o fantasma do aquecimento global ronda as matas frias e úmidas que a protegem. 

O cinzeiro-pataguá foi descrito em 1958 pelo padre Raulino Reitz e pelo pesquisador Lyman Bradford Smith, ambos já falecidos. Eles haviam encontrado a espécie poucos anos antes na região do Campo dos Padres, em Bom Retiro (SC), a 140 km da capital Florianópolis.

Ela forma geralmente um arbusto de até 3 m de altura, mas pode crescer como uma árvore e passar dos 10 m. De madeira pouco resistente e copa generosa, abraçando boa quantidade de luz em meio à mata, a árvore perde as folhas no rigoroso inverno sulista. 

A literatura científica conta que o cinzeiro-pataguá vivia ao menos em quatro municípios catarinenses, mas hoje uns 250 exemplares seriam encontrados apenas em pontos isolados no Parque Nacional de São Joaquim. Os locais não recebem turistas.

Ao longo de mais de cinco décadas, a espécie ganhou pouca atenção de pesquisadores, mas ainda mais ameaças por seu alto isolamento e subida da temperatura global. Todavia, nos últimos anos cientistas de instituições públicas iniciaram uma corrida para evitar seu desaparecimento.

“É uma das espécies com distribuição mais restrita em todo o mundo”, destaca Eduardo Giehl, doutor em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e um dos estudiosos do cinzeiro-pataguá. A situação tornou a espécie globalmente ameaçada de extinção.

Um cinzeiro-pataguá em meio à Mata Atlântica. Mais abaixo no tronco, equipamentos para pesquisa da UDESC. Foto: Guilherme Moura

A agropecuária, a urbanização e até espécies exóticas invasoras podem ter eliminado silenciosamente outras populações estaduais da espécie. Além do desmate, javalis infestam a serra catarinense e podem devorar seus brotos e encolher seus números. 

Os esforços científicos para driblar os riscos de eliminação incluem coletar sementes para multiplicar a espécie, estudar sua reprodução, dispersão e até dependência de luz solar. Mas a planta nativa não revela suas intimidades tão facilmente.

De 2 mil sementes coletadas, apenas duas dezenas brotaram. A chave pode ser o frio que marcou a evolução da espécie. “Esperamos obter mais mudas quebrando a dormência das sementes em freezers”, diz Giehl, professor adjunto do Departamento de Ecologia e Zoologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

“A semente fica esperando um despertador para acordar, que pode ser o frio, pode ser o trato digestivo de algum animal, pode ser a luz, ou até mesmo o atrito para quebrar a casca da semente”, explicou o pesquisador em reportagem do Núcleo de Apoio à Divulgação Científica da UFSC.

Ao mesmo tempo, equipamentos medem o aumento do diâmetro, o fluxo de seiva, temperaturas, chuvas e ventos buscando entender o desenvolvimento e o consumo de água da planta. A energia que alimenta os aparelhos vem de placas solares.

“Assim entenderemos a dinâmica da espécie nessa floresta de regiões elevadas”, descreve o engenheiro florestal Guilherme Moura. Seu mestrado em Ecologia no campus de Lages (SC) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) é dedicado à espécie. O estudo acabará em 2024.

As pesquisas sobre o cinzeiro-pataguá podem revelar igualmente quanto a espécie captura de carbono em seu crescimento, se animais ou aves comem e dispersam seus frutos e sementes, a longevidade e outros traços da ainda enigmática planta. 

Refúgio climático

As matas nebulosas ocorrem em porções elevadas da Mata Atlântica e de outras regiões no Brasil e no exterior. No Parna de São Joaquim, os cinzeiros-pataguá estão a mais de 1.500 m de altitude, em áreas por vezes cobertas pela neblina onde a temperatura raramente passa dos 20ºC.   

Pois, a crise global do clima pode dar cabo desse refúgio climático da árvore e de variadas outras espécies. “É um equilíbrio muito delicado. Baixas na umidade e nas chuvas podem matar plantas e reduzir a população do cinzeiro-pataguá”, alerta Guilherme Moura, da UDESC.

As alterações do clima impactam ainda mais animais pequenos ou de pouca mobilidade, mas sobretudo as plantas, que não migrarão para áreas mais favoráveis no curto prazo e sem ajuda humana. “A espécie não tem para onde ir com o clima aquecendo”, reforça Eduardo Giehl, da UFSC.

Antigos parentes

O cinzeiro-pataguá (Crinodendron brasiliense) pertence à família Elaeocarpaceae, cujas plantas floridas evoluem desde quando América do Sul, Austrália e outros territórios eram unidos pela Antártica no supercontinente de Gondwana, entre 550 e 100 milhões de anos atrás.  

Hoje, as quatro espécies conhecidas de Crinodendronvivem no planalto catarinense e em regiões montanhosas da Bolívia, da Argentina e do Chile. Nesse último país, a planta é popular e ornamental, sendo cultivada em jardins, parques e viveiros.

“A espécie permaneceu aqui [no Brasil] sobretudo por questões climáticas e evolutivas”, destaca Eduardo Giehl, da UFSC. Uma história preservada graças a uma área protegida. “Se não estivesse dentro de um parque, provavelmente não ouviremos mais falar dela”, lembra Guilherme Dutra, da UDESC.

Consultado, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) informou que “as árvores estão em áreas regularizadas do parque”. Como mostrou ((o)eco, São Joaquim ainda enfrenta desafios para a regularização fundiária em grande parte de seus quase 50 mil hectares.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
3 de março de 2021

Atraso histórico em regularização fundiária ameaça encolher Parque Nacional de São Joaquim

Dez mil hectares podem ser suprimidos do Parque Nacional de São Joaquim por falhas na regularização. No país, governo paralisa fundo de compensação ambiental que serviria para indenizar proprietários de terras dentro de áreas protegidas

Notícias
22 de dezembro de 2023

Câmara aprova Mercado Regulado de Carbono com mudanças que beneficiam Agro

No apagar das luzes de 2023, deputados alteram - e aprovam - texto, que agora possibilita dupla contagem de créditos e não dá garantias totais a povos originários

Reportagens
22 de dezembro de 2023

Energia ignorou resultados de avaliação ambiental na Bacia do Solimões

Falta de conclusão desse processo pelo governo gera desmotivação sobre o uso da mesma ferramenta para análise de cenários na margem equatorial

Mais de Tiger game

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.