Reportagens

Fala de ministro brasileiro sobre entrada do Brasil na OPEP+ repercute mal em Dubai

Governo Lula lança fundo global para proteção das florestas e reforça compromisso do país com o plano de transição ecológica

Cristiane Prizibisczki·
1 de dezembro de 2023

O segundo dia da Conferência do Clima da ONU, que acontece em Dubai pelas próximas duas semanas, foi marcado pelas declarações inflamadas de chefes de estado das nações participantes. Para o Brasil, no entanto, a fala de um ministro de Lula repercutiu mal e acabou abafando as iniciativas lançadas pelo governo brasileiro.

Na tarde de quinta-feira (30), o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, disse que era quase certa a entrada do Brasil no grupo ampliado da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP+). Segundo Silveira, o Brasil “não assumirá nenhum compromisso com corte de produção [de petróleo]”.

A fala não poderia chegar em pior momento. Em seu discurso na sessão de abertura da COP nesta sexta-feira, Lula afirmou que o Brasil pretende liderar o processo de transição energética e o combate às mudanças climáticas “pelo exemplo”.

O presidente falou da gravidade da situação em que o meio ambiente se encontra e cobrou dos países desenvolvidos investimento no enfrentamento às mudanças climáticas e na redução da emissão de gases causadores do efeito estufa.

“O Brasil está disposto a liderar pelo exemplo […] o planeta está farto de acordos climáticos não cumpridos. Os governantes não podem se eximir de suas responsabilidades. Nenhum país resolverá seus problemas sozinho. Estamos todos obrigados a atuar juntos além de nossas fronteiras”, disse o presidente brasileiro.

O convite para que Brasil entre na OPEP+ – grupo ampliado de discussões do cartel mundial do petróleo – foi feito na quarta-feira, durante a passagem do presidente Lula por Riad, capital da Arabia Saudita, e formalizado por meio de uma carta que o ministro Alexandre Silveira recebeu ontem.

Lula não falou com a imprensa neste segundo dia de Conferência do Clima, mas seus ministros foram procurados para comentar a fala de Silveira. No final da tarde, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e a ministra do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas, Marina Silva, minimizaram o impacto da fala de seu colega.

“A indústria do petróleo é a primeira que tem que investir em descarbonização e se possível, ampliar muito os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias para transição ecológica. Nós temos que deixar de consumir o petróleo não porque ele vai acabar, mas porque a gente tem outras fontes para usar”, disse Haddad.

Marina Silva também relativizou a participação do Brasil na OPEP. “O Brasil não vai participar da OPEP, vai participar como observador, inclusive para usufruir daquilo que são os debates e os aportes tecnológicos, inclusive os aportes tecnológicos que possam levar a essa transição que o ministro Haddad se referiu. O Brasil pode ter uma matriz energética 100% limpa e ajudar o mundo a também fazer sua transição energética”, disse.

Ela também não acha que seja uma contradição o Brasil entrar na OPEP+, desde que seja para levar a organização o debate da economia verde e da necessidade de descarbonizar o planeta. Organizações veem com ceticismo essa possibilidade.

Atualmente, o governo tem planos de expandir suas fronteiras de exploração de petróleo para regiões ambientalmente sensíveis, como a Amazônia, buscando saltar da 9ª para a 4ª posição no ranking dos maiores produtores de petróleo do mundo.

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e o presidente da COP, sultão Al Jaber. Foto: Ricardo Stuckert / PR

Florestas para Sempre

Além dos embates entre seus ministros, o dia do Brasil na COP 28 foi marcado pelo lançamento de um fundo global para a conservação das florestas tropicais, com expectativa inicial de captar 250 bilhões de dólares em recursos de fundos soberanos.

Os mecanismos de funcionamento da proposta ainda não estão claros, mas sabe-se que o fundo pretende ser usado para o pagamento a 80 países que possuem florestas tropicais pela manutenção da floresta em pé, com um valor fixo anual por hectare conservado ou restaurado.

Batizado de Florestas Tropicais Para Sempre, o Fundo pretende suprir uma lacuna existente hoje nos mecanismos de financiamento. Atualmente, a maior parte dos recursos existentes para proteção das florestas se concentra em pagamentos por captação de carbono ou provisão de serviços ambientais. 

O novo fundo prevê uma forma simplificada de monitoramento e pagamento pela manutenção das florestas preservadas.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
30 de novembro de 2023

COP 28 começa em Dubai cercada de óleo, controvérsias e uma boa decisão

Emirados Árabes, um dos maiores produtores de petróleo do mundo, têm a função de colocar fim aos combustíveis fósseis na pauta. Fundo de Perdas e Danos sai do papel

Notícias
9 de agosto de 2023

Países com grandes porções de florestas se unem em bloco de negociação internacional

Anunciado na Conferência do Clima de 2022, “Bloco de florestas” foi formalizado nesta quarta-feira (9) no Brasil. Doze países fazem parte

Notícias
20 de novembro de 2023

Delegação brasileira para COP dos Emirados Árabes tem 2,4 mil inscritos

Número é recorde na história das Conferências do Clima: maior delegação já registrada tinha cerca de 1500 pessoas. Evento já foi usado para turismo

Mais de Fortune Ox

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários1

  1. Dennisdiz:

    Que tal subordinar Minas & Energia e Forças Armadas ao MMA? Seria um sinal forte e traria tração às ações necessárias para mudanças climáticas. Tanto na descarbonizacao quanto no emfrentamento de consequências da crise.