Reportagens

Com o retorno do plano nacional de combate ao desmatamento, Pará deixará liderança do ranking, diz Barbalho

De acordo com governador, 70% do território paraense estão sob responsabilidade da União; com desmonte da política ambiental promovida pelo presidente Jair Bolsonaro, muitas áreas ficaram expostas ao crime

Fabio Pontes·Cristiane Prizibisczki·
23 de novembro de 2022·1 anos atrás

A retomada das operações de combate aos crimes ambientais na Amazônia a partir da posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Presidência da República, em conjunto com as ações já desenvolvidas pelos órgãos estaduais, fará com que o Pará, aos poucos, deixe de ocupar as primeiras posições de devastação do bioma. A avaliação é do governador reeleito, Helder Barbalho (MDB), que se mostra confiante com a nova política ambiental a ser adotada pelo Brasil a partir de 2023, após quatro anos de desmonte executado na gestão de Jair Bolsonaro (2019-2022). 

“A minha expectativa de que unir os esforços da agenda estadual com a agenda nacional permitirá com que a fotografia com que o cenário do estado do Pará seja um cenário novo, e de prosperidade ambiental em que nós possamos efetivamente conciliar as vocações existentes no Estado com sustentabilidade e, por outro lado, efetivamente fazer com que a floresta em pé seja um ativo”, disse Helder em entrevista ao betboo, durante a COP-27, que aconteceu em novembro no Egito.

70% do território, de responsabilidade da União, estão vulneráveis para a prática de crimes diante da omissão do governo federal 

De acordo com Helder, apesar do governo estadual desenvolver operações de comando e controle nas áreas de posse do Estado, outros 70% do território, de responsabilidade da União, estão vulneráveis para a prática de crimes diante da omissão do governo federal. 

Mesmo assumindo um papel de protagonismo nacional e internacional de “governador da Amazônia” – ante a saída proposital do governo Bolsonaro de todos os acordos de cooperação para a região – o Pará  permanece nas primeiras posições do ranking do desmatamento e das queimadas. 

Segundo o mais recente boletim do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), em outubro o Pará respondeu, sozinho, por mais da metade (56%) dos 600 km2 de floresta derrubada no bioma. Uma das áreas mais ameaçadas pelo avanço do desmatamento no Pará é a Floresta Estadual do Paru, na região da Calha Norte do estado.

Conforme o Imazon, a unidade de conservação ocupou a quinta colocação entre as áreas protegidas da Amazônia mais desmatadas em outubro. O dado é preocupante por revelar a migração da devastação do bioma na porção mais norte do território paraense, considerado mais preservado – até o presente momento. 

Mesmo com resultados tão negativos, Helder Barbalho afirma que o Pará tem apresentado redução nas taxas de desmatamento na comparação de um ano para outro, mas reconhece que o estado ainda ocupa o topo da destruição da floresta. 

“É importante destacar a redução comparativa 2019-2020 e 21 com os níveis de 2022. Portanto, nós conseguimos assegurar desaceleração das taxas de desmatamento no Estado, e este é um importante vetor que precisa ser continuado sob a ótica de que nós estamos muito próximos de garantir já a reversão para assegurar com que o Estado não mais conviva com os índices de desmatamento que lamentavelmente, no seu histórico, traz”, analisa ele. 

Ao contrário do que diz o governador reeleito, dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o desmatamento não desacelerou no Pará nos últimos anos. Em 2019, o estado teve uma área desmatada de 4.200 km2; em 2020, chegou-se a 4.900 km2. Ano passado, o estado devastou 5.200 km2 de cobertura florestal. 

Floresta Estadual do Paru. Foto: Ideflor-Bio

Indagado sobre planos para criar novas unidades de conservação estaduais durante seu segundo mandato,  Helder Barbalho falou que essa já é uma possibilidade em discussão pelo Instituto Florestal do Pará. “É claro, isto pressupõe audiências públicas, debater com as comunidades locais e enxergar eventuais conflitos que possam ser mitigados.”

A política dos governadores

Sobre como será a nova relação de forças da maioria dos governadores bolsonaristas reeleitos na Amazônia Legal, com o governo Lula, Helder Barbalho afirma não enxergar problemas nisso. Após se manter neutro no primeiro turno na disputa para presidente, por conta da candidatura de Simone Tebet (MDB), Helder foi o principal cabo-eleitoral do presidente eleito na região. 

“Eu não vejo nenhuma dificuldade, nenhum ambiente conflituoso com qualquer governador da Amazônia Legal para o presidente Lula, o que acho que é determinante e fundamental é que todo e qualquer debate e discussão sobre a Amazônia levem em consideração as realidades da Amazônia e as peculiaridades que contemplam a Amazônia Legal”, avalia. 

Para o emedebista, o desafio do governo Lula é enxergar as diversidades amazônicas. Uma proposta de solução para a realidade do Acre, por exemplo, não deveria ser empurrada para o Amapá.  “O retrato do estado do Pará no seu território já é adverso. A realidade do Marajó são distintas da região sul do Pará e daí por diante.” 

  • Fabio Pontes

    Fabio Pontes é jornalista com atuação na Amazônia, especializado nas coberturas das questões que envolvem o bioma desde 2010.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
22 de agosto de 2022

Barbalho tenta reeleição no Pará sem cumprir promessa de reduzir desmatamento

Com um plano de governo vago, o paraense é acusado de manter um discurso novo, mas com práticas antigas. Mesmo badalado internacionalmente, devastação segue

Reportagens
19 de agosto de 2019

Calha Norte: gado adentra maior área protegida de floresta tropical do mundo

Nem mesmo as péssimas estradas impedem o avanço das fazendas de pecuária em direção às unidades de conservação da Calha Norte do Pará

Notícias
28 de agosto de 2022

Fórum de Governadores da Amazônia: boas intenções, poucos resultados

Na visão de muitos políticos locais, o fortalecimento do agronegócio consiste apenas em fragilizar os mecanismos de proteção ambiental

Mais de betboo

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários1

  1. Ronny Paiakandiz:

    Olá, boa tarde. Os dados do PRODES 2022 que saíram hoje, indicam que o Pará teve a maior redução no desmatamento entre os estados da Amazônia. Espero uma reportagem de igual tamanho sobre as ações do Estado que geraram esse resultado. Abraços.