Reportagens

Barbalho diz que vai implementar rastreabilidade individual de gado no Pará ainda em 2023

Em entrevista a pokerstars, governador paraense informou que programa está em fase final de estruturação. Esta é a primeira iniciativa pública de rastreio individual do país

Cristiane Prizibisczki·
7 de agosto de 2023

Belém – O Pará se prepara para ser o primeiro estado do país a implementar um programa público de rastreio individual de gado. Segundo o governador Helder Barbalho (MDB), o programa está em fase final de estruturação e deve ser lançado ainda em 2023.

O Pará possui o segundo maior rebanho bovino do país, com cerca de 26 milhões de cabeças. O rastreio individual do gado é visto pelos principais países exportadores e importadores de carne bovina como sendo a medida mais eficaz para aumentar a segurança sanitária e alimentar dos rebanhos.

Ela também é peça essencial no rastreio de ilegalidades ambientais ligadas à cadeia da carne, como o desmatamento.

A pecuária é hoje o maior indutor da destruição da floresta Amazônica. Pastos para o gado cobrem cerca de 90% da área total desmatada no bioma, e mais de 90% dos novos desmatamentos são ilegais. 

Rastreio individual

O Brasil, líder global na exportação de carne bovina, ainda engatinha na questão do rastreio individual dos animais. Apesar de o assunto circular há décadas no setor, somente agora em 2023 o governo brasileiro começou a adotar medidas concretas para a implementação de um sistema em grande escala, que ainda estaria em construção.

Enquanto a iniciativa não avança no nível nacional, o Pará corre para sair na frente e ter seus próprios mecanismos de rastreabilidade. Em entrevista a pokerstars, Barbalho explicou que o programa está sendo desenvolvido pelo governo em parceria com o Instituto de Pesquisas da Amazônia (IPAM), com a organização The Nature Conservancy (TNC) e com empresas do setor.

“Estamos concluindo a estruturação [do programa paraense], no sentido de que 100% de todo rebanho bovino no estado seja brincado e chipado e, a partir daí, esteja atrelado a um banco de informações do governo, e atrelado a todos os componentes que habilitem desde a indústria da carne até o fornecedor, para que possamos garantir o rastreio de todo esse estoque de proteína animal”, explicou.

pokerstars perguntou a Barbalho se será o governo a ofertar aos produtores os brincos e a capacitação para uso da tecnologia. “Todas as propriedades terão a oferta deste serviço de forma gratuita e quem estará custeando isso será a indústria da carne”, disse.

De acordo com o governador, os dados individuais dos animais – incluindo os provenientes de fornecedores indiretos dos frigoríficos, hoje o grande calcanhar de aquiles da cadeia – estarão atrelados a outras fontes de informação, como dados de Cadastro Ambiental Rural, licenças da propriedade e certificações da vigilância sanitária.

“O desafio nesta fase final dessa estruturação é de como eu conquisto a adesão do produtor. O que ele ganha com isso? Precisamos fazer a agregação de valor para aqueles que praticam as atividades com sustentabilidade, para que isso gere uma agregação de valor e seja assimilado não pelo consumidor final, mas pela indústria da carne, dentro do processo de comprometimento que a indústria da carne deve ter com práticas sustentáveis”, disse o governador paraense.

Segundo Barbalho, a ideia é que o programa paraense sirva de modelo para outros estados do país.“Não tenho dúvida que isto deve ser replicado para o Brasil e, claro, quando você tem um estado da Amazônia que, ao mesmo tempo que é da Amazônia, é o segundo rebanho bovino do Brasil, certamente isso alavanca para um case de sucesso”.

Atualmente, a rastreabilidade da carne, no nível nacional, é feita por uma ferramenta chamada Guia de Trânsito Animal (GTA). Criada para fins sanitários – controle de vacinas – a GTA é atualmente a principal ferramenta usada para o rastreio ambiental do gado, ao ser cruzada com dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e imagens de satélite.

O problema é que, além de ser emitida para lotes de animais – e um lote pode ter bois de várias procedências – a GTA não é aberta ao controle social, tem se mostrado cheia de falhas e é altamente fraudável.

Segundo apurou pokerstars, o Pará espera que em dois anos, a contar do lançamento do programa, todo gado do estado esteja rastreado.

Selo Verde 2.2

Além do rastreio individual, o governo do Pará também lançou, no domingo (6), uma nova versão da plataforma Selo Verde, que fornece dados sobre ativos e passivos ambientais de propriedades rurais no estado e é usada no rastreamento da cadeia da carne paraense.

Com a nova versão, o estado vai conseguir rastrear a origem da carne que chega no frigorífico em até 5 níveis. 

Isto é, vai ter informações sobre a existência de desmatamento ou trabalho escravo do produtor que comercializou diretamente com o frigoríficos e de outros quatro indiretos. Na versão anterior, eram analisados dados de apenas dois níveis. 

Para isso, foram integrados no sistema 30 conjuntos de dados de 12 instituições estaduais e federais. 

“Essas medidas vão permitir, sobretudo, que tenhamos uma carteira das propriedades que, além do Cadastro Ambiental Rural, estão plenamente regularizadas e habilitadas para fornecer para a indústria da carne o seu produto”, disse o governador, durante o lançamento da iniciativa, que integrou a agenda dos Diálogos Amazônicos, em Belém.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
20 de junho de 2023

CNA planeja usar reconhecimento facial para rastrear gado no país

Fazendas piloto devem receber o sistema ainda este ano, diz Confederação da Agricultura e Pecuária. Reconhecimento facial é similar à biometria facial de humanos

Reportagens
5 de maio de 2023

Com pressão ambiental, Brasil começa a tirar do papel rastreabilidade individual de bovinos

Em fase inicial no MAPA, medida ainda deve enfrentar muitos entraves antes de se tornar política pública, incluindo resistência do setor e divergências internas

Notícias
6 de agosto de 2023

Maior desmatador da Amazônia, Pará lança validação automatizada de Cadastro Ambiental

Tecnologia promete acelerar o hoje moroso processo de análise da regularidade de propriedades rurais no estado. Em 11 anos, menos de 4% dos CAR paraenses foram validados

Mais de pokerstars

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.