Reportagens

Turismo sustentável

Feira em São Paulo revela o crescimento do setor de ecoturismo. Entidades negociam a criação de um selo de certificação que garanta a preservação ambiental dos principais destinos.

Carlos André Ferreira·
27 de agosto de 2004·19 anos atrás

Os pavilhões da Bienal de São Paulo receberam, no início de agosto, a 6ª edição da maior feira de ecoturismo e esportes de aventura da América Latina: a Adventure Sports Fair. Apesar do nome estrangeiro, os três andares da Bienal ficaram lotados de brasileiros interessados nesse mercado e nos roteiros oferecidos por agências, empresas e prefeituras.

O ecoturismo virou um bom negócio. Hoje, centenas de operadoras de turismo têm em seu cardápio opções variadas pelo Brasil e pelo mundo. Parques Nacionais, Unidades de Conservação, praias virgens, cachoeiras e todos aqueles cenários que já conhecemos dos cartões postais e dos comerciais na TV. A moda pegou. O resultado de tanta propaganda vem sendo o aumento considerável da visitação nessas regiões. No entanto, a maior parte desses destinos não foi preparada, e em muitos casos nem pode arcar com o novo volume de visitantes. Ambientalistas estão alarmados com o crescimento do setor e, acima de tudo, com a ausência no Brasil de políticas públicas que estabeleçam os critérios de sustentabilidade para as atividades turísticas.

Foi pensando nisso que organizações como Fundação S.O.S. Mata Atlântica e o WWF-Brasil trouxeram para o país a discussão sobre o estabelecimento de uma entidade certificadora dos padrões e normas para o segmento do ecoturismo. Reunidos em 2001, na cidade de Paraty, no Rio de Janeiro, entidades ambientalistas, sociais e de classe, empresários e representantes do governo propuseram a implementação de um programa de certificação em turismo sustentável no Brasil.

No ano seguinte foi criado o Conselho Brasileiro de Turismo Sustentável (CBTS), com o objetivo de desenvolver, implementar e promover um sistema unificado de certificação voluntária do turismo sustentável. Logo depois surgia o Programa de Certificação em Turismo Sustentável (PCTS), buscando aprimorar a qualidade das pequenas e médias empresas de turismo dentro desses novos valores de sustentabilidade.

O assunto cresceu tanto em importância que a feira deste ano teve todo um andar para apresentar e divulgar o conceito de Turismo Sustentável. Além da S.O.S. Mata Atlântica, do WWF-Brasil e do Greenpeace, os diversos estandes apresentavam uma série iniciativas de pequenas organizações e empresas, e seus produtos, equipamentos e serviços ecológicos.

Fora do mapa – “A idéia de sustentabilidade vai muito além da preservação da fauna e da flora, estamos falando da preservação do patrimônio histórico e cultural e igualmente das populações anfitriãs”, explica Paula Arantes, consultora em ecoturismo e organizadora do pavilhão de Turismo Sustentável da Adventure Fair. “Os turistas que vêm de fora estão cada vez mais exigentes quanto ao impacto ambiental e a preservação dos ecossistemas. Sem critérios, o Brasil perde em confiabilidade”. Paula lembra ainda que a idéia de turismo sustentável engloba também o turismo náutico, o religioso, o urbano e o histórico. “Ter um selo reconhecido internacionalmente coloca o Brasil como destino reconhecido no mundo”, conclui.

Um exemplo emblemático de turismo “insustentável” está, infelizmente, no berço do Brasil: Porto Seguro. Sem planejamento, a cidade cresceu desordenadamente e hoje sofre um processo de favelização. As pequenas pousadas mantidas por moradores perdem espaço para os empreendimentos vindos de fora e o desmatamento já é sensível. “Não adianta chamar de eco-empreendimento se o esgoto está sendo lançado in natura no rio. Isso é oportunismo”, comenta Paula.

Segundo a Fundação S.O.S. Mata Atlântica, hoje 98% dos turistas estrangeiros querem visitar as regiões de Mata Atlântica, seja no Rio de Janeiro, sul da Bahia ou em Foz do Iguaçu. “Eles vêm e não acham nada, ou melhor, acham apenas os 7% do que foi a Mata Atlântica. E continuamos perdendo 1 campo de futebol a cada 4 minutos”, alerta o diretor da Fundação, Mário Mantovani, um geógrafo que se dedica à preservação ambiental há 35 anos. Mantovani, que integra o conselho do CBTS, acredita que sem um programa de certificação voluntária e uma política nacional de ecoturismo, o Brasil vai continuar fora das rotas internacionais de turismo. “Os Estados Unidos têm o Caribe, a Europa tem a Polinésia. Recebemos no Brasil 6 milhões de visitantes por ano. Só o Parque Yellowstone, nos Estados Unidos, recebe 20 milhões por ano. Nosso país não consta em nenhum catálogo internacional”, adverte Mário.

Tendência mundial – Durante a feira em São Paulo, o CBTS realizou o 1o Fórum Interamericano de Turismo Sustentável (FITS), reunindo representantes da Costa Rica, Guatemala, Equador, Peru e Brasil. O objetivo era compartilhar as experiências de certificação nesses países e buscar uma solução integrada, um selo único, no que está sendo chamado de Rede das Américas. A iniciativa tenta fugir do que acontece atualmente na Europa, onde existem mais de 20 entidades certificadoras para o turismo. A unificação é uma tendência mundial e o Brasil pode sair na frente nesse processo, já que por aqui ainda não temos nenhuma certificação. A ONG internacional Rainforest Alliance, umas das organizadoras do FITS, lidera uma proposta mundial de unificação de todos os selos. A iniciativa conta com o apoio da Organização Mundial de Turismo.

Outra vitória dos organizadores do Pavilhão de Turismo Sustentável foi contar com a participação de quatro ministérios, além do Ibama, da Embratur e do Sebrae. Estiveram presentes na Feira os ministros do Meio Ambiente, Marina Silva, e Turismo, Walfrido Mares Guia, que assinaram um termo de cooperação para a discussão de uma política nacional de turismo sustentável, e representantes dos Ministérios da Cultura e dos Esportes. Já a Embratur lançou o Bureau de Ecoturismo, que vai promover no exterior os destinos e as empresas turísticas brasileiras reconhecidas e confiáveis. O Ibama realizou uma oficina sobre Parques Nacionais e o Sebrae trouxe suas linhas de apoio e capacitação para os empresários do setor.

E não pára por aí. O Ministério de Turismo promoveu um Simpósio de Certificação de Turismo de Aventura, buscando debater os aspectos e desafios, conceituar os termos e sensibilizar e motivar o mercado. Especialistas nacionais e internacionais, empresários do setor, operadoras e esportistas participaram como palestrantes.

Acima de tudo, o processo de conscientização e preservação dos sítios turísticos brasileiros passa pela informação. A certificação é boa para o mercado. Mais do que uma ferramenta de marketing, o selo de sustentabilidade trará para os empresários a certeza de rentabilidade a longo prazo, e para os consumidores, a confiança de que encontrarão serviços turísticos de qualidade com a garantia de preservação das comunidades e ecossistemas.

Leia também

Notícias
26 de janeiro de 2024

Ecossistemas serão perdidos se restauração continuar nos moldes atuais

Alerta, publicado na Science, vem de 17 pesquisadores do Centro Brasileiro de Conhecimento em Biodiversidade. Falta de diversidade coloca esforços em risco

Salada Verde
26 de janeiro de 2024

Às vésperas de negociações com servidores, Ministérios da Gestão e Meio Ambiente se reúnem

Ministras Esther Dweck e Marina Silva debateram ontem, junto a representantes do Ibama e do ICMBio, as demandas da categoria; sindicato e Gestão negociam na próxima quinta (1)

Salada Verde
26 de janeiro de 2024

Militares foram mais caros e menos eficientes contra desmate na Amazônia

Taxas de desmatamento são influenciadas por investimentos e políticas públicas, ressalta um artigo de instituição brasileira

Mais de brabet

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.