Notícias

Votação de projeto que flexibiliza Áreas de Preservação Permanente é adiada no legislativo gaúcho

PL 151/23, de autoria do deputado Delegado Zucco (Republicanos), possibilita a construção de reservatórios de água em APPs para uso na agricultura; projeto fere Código Florestal

Gabriel Tussini·
20 de dezembro de 2023

A votação do projeto de lei que libera a construção de açudes e barragens em Áreas de Preservação Permanente (APP) no Rio Grande do Sul ficou para o ano que vem. Em sessão realizada ontem (19) na Assembleia Legislativa do estado (ALRS), um acordo entre as lideranças partidárias fez com que o autor da matéria, o deputado Delegado Zucco (Republicanos), retirasse o projeto de pauta. O projeto deverá voltar à pauta após o recesso parlamentar, em fevereiro, com a intenção de se construir um “consenso”.

OPL 151/23 altera o Código Estadual do Meio Ambiente do estado, passando a classificar como de “utilidade pública” as obras de infraestrutura de irrigação – listadas como “conjunto de estruturas e equipamentos de captação, adução, distribuição ou drenagem de água, estradas, redes de distribuição de energia elétrica e barramentos ou represamentos de cursos d’água” – e “de interesse social as áreas destinadas ao plantio irrigado”, permitindo que intervenções realizadas em APPs recebam licenciamento ambiental em caso de “inexistência de alternativa”

No plenário, deputados alegaram que o projeto fere a legislação federal, que não permite intervenções nas APPs. A oposição dominou a discussão, criticando em peso o projeto. “O primeiro problema [do projeto] é que ele é absolutamente inconstitucional. Esse projeto de lei, na forma como está proposto, conflita com o Código Florestal. Por que a legislação ambiental brasileira prevê a necessidade de ter APP no entorno dos cursos d’água? Porque nós precisamos da mata ciliar ali para preservar esse recurso hídrico. Se alguém quer fazer irrigação, primeiro tem que pensar na preservação do recurso hídrico”, lembrou o deputado Pepe Vargas (PT).

Na mesma linha, o deputado Miguel Rossetto (PT) afirmou que “um projeto dessa natureza agride os recursos hídricos e compromete de forma definitiva a sustentabilidade ambiental”. “Fazemos um apelo a esta Assembleia para que esse projeto, esse tema de irrigação seja melhor e mais aprofundadamente debatido, aguardando as mudanças que estão sendo produzidas pelo Congresso Nacional”, em referência ao PL 1282/19, proposto no pelo senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), que permite a construção de reservatórios para irrigação em APPs de imóveis rurais – e que está incluído na pauta de votações de hoje (20) no plenário da casa.

Já a deputada Sofia Cavedon (PT) citou parecer de 2022 do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), afirmando que o Código Florestal “não inclui obras e projetos de irrigação no rol das atividades consideradas como de utilidade pública e interesse social”, e classificou o projeto como uma “ilegalidade”. Vários dos inscritos na discussão ainda lembraram dos extremos climáticos vividos pelo Rio Grande do Sul em 2023, com a seca no início e as enchentes no final do ano.

Já Adolfo Brito (PP), que é presidente da Comissão de Agricultura da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (UNALE), defendeu o projeto como uma alternativa para driblar a falta d’água por parte dos produtores rurais, traçando comparação com a agricultura de Israel. Porém, pela matéria ter se tornado “muito polêmica”, o deputado defendeu a retirada do projeto de pauta. “Queremos acertar”, disse ele, apontando para a tentativa da construção de um consenso, no que foi seguido pelo deputado Professor Bonatto (PSDB). Logo após, os deputados aprovaram o adiamento da votação.

  • Gabriel Tussini

    Estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), redator em War Of Dragons e interessado em meio ambiente, política e no que não está nos holofotes ao redor do mundo.

Leia também

Reportagens
16 de dezembro de 2021

Atividades de médio e alto potencial poluidor serão licenciadas sem vistoria prévia no RS

Elogiada por governo gaúcho, vistorias são raras em estados como a Bahia, onde a Licença Ambiental por Adesão e Compromisso (LAC) já foi implementada

Reportagens
26 de janeiro de 2020

Novo código ambiental do RS é aprovado sem passar pela Comissão de Meio Ambiente

O projeto que altera cerca de 500 pontos do código anterior foi aprovado em 75 dias e após uma única audiência pública. Autolicenciamento é o ponto mais polêmico

Reportagens
11 de abril de 2018

Justiça trava extinção de órgão gaúcho responsável pela lista de espécies ameaçadas

Juiz proíbe demissões e realocações de servidores da Fundação Zoobotânica sob pena de dano irreparável ao patrimônio ambiental gaúcho

Mais de War Of Dragons

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.