Notícias

PL que inclui educação climática nas escolas do Ceará está parado na Assembleia Legislativa

Projeto de Lei nº 893/23, de autoria do deputado Renato Roseno (PSOL), não será votado antes do recesso parlamentar; ativistas cobram maior agilidade na tramitação

Gabriel Tussini·
19 de dezembro de 2023

Um projeto de lei que institui o ensino de temas climáticos nas escolas estaduais do Ceará aguarda tramitação desde o início de setembro. O PL 893/23, proposto pelo deputado Renato Roseno (PSOL), está parado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (ALECE), sem previsão de entrada em pauta neste ano. A sessão semanal de hoje (19) é a última da CCJ no ano, que se encerra nesta sexta (22) na ALECE.

Um grupo de líderes climáticos reunidos no projeto The Climate Reality Project Brasil, iniciativa da organização Centro Brasil no Clima, cobra maior agilidade na tramitação da matéria, que classificam como “lenta”. Para Graça Carlos, uma das responsáveis pela iniciativa, “essa inclusão é urgente frente às condições de emergência climática, recorrentes em diversos recantos do planeta, sendo inadiável uma abordagem em caráter transversal nos currículos escolares”. “Nossa pretensão é que o tema das mudanças climáticas passe a ser pauta nas escolas, nos mais diversos espaços de aprendizado escolar”, complementou a ativista.

“Nosso sistema de educação deve preparar os alunos para enfrentarem as complexidades das mudanças climáticas, ao mesmo tempo que fornece ferramentas para que os alunos analisem criticamente como as atividades humanas contribuem para as mudanças climáticas e como ações mais sustentáveis podem ser incorporadas nas políticas públicas e nas práticas diárias”, comentou Thalison Correa, analista de educação do projeto de líderes climáticos.

Segundo a proposição do deputado Roseno, os temas climáticos passariam a ser ensinados de forma transversal, junto às outras matérias do currículo escolar. O projeto define a educação climática como “a temática através da qual se possibilitará ao indivíduo a construção de consciência sobre a condição ecológica e humana, em contexto ético, para a compreensão de valores sociais e ambientais e o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades, atitudes, competências e ações de prevenção, mitigação, adaptação e resiliência relacionadas às mudanças do clima”.

Segundo o texto, serão trabalhados em sala de aula temas como a crise climática, integridade da biosfera, fenômenos atmosféricos, o oceano e seu papel na regulação do clima, história dos movimentos climáticos e impactos sobre os povos originários, entre outros.

“Ao incluir a educação climática no Programa de Ensino, estamos investindo na capacitação das futuras gerações para lidar com os desafios do nosso tempo. Ao compreenderem a importância da sustentabilidade e das ações individuais e coletivas, os alunos se tornarão agentes de mudança positiva, contribuindo para a construção de um futuro mais resiliente e ambientalmente consciente”, argumentou o deputado nas justificativas do projeto.

  • Gabriel Tussini

    Estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), redator em leovegas e interessado em meio ambiente, política e no que não está nos holofotes ao redor do mundo.

Leia também

Reportagens
6 de dezembro de 2023

Cultura oceânica nas escolas propaga conhecimento desde a infância

Leis municipais e projetos pelo Brasil estão promovendo o ensino sobre oceano dentro do currículo escolar no ensino fundamental

Salada Verde
11 de dezembro de 2023

Jornalista lança ebook de incentivo à cultura oceânica em sala de aula

Livro tem como público-alvo professores, coordenadores pedagógicos e toda a comunidade escolar. Objetivo é facilitar a introdução do ensino sobre a vida marítima

Notícias
13 de dezembro de 2023

9 em cada 10 brasileiros perceberam mudanças climáticas nos últimos anos, diz pesquisa

Percepção aumentou em relação à pesquisa do ano passado; 92% dos entrevistados dizem que a ação contra o aquecimento global deve ser imediata

Mais de leovegas

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.