Notícias

Maior desmatador da Amazônia, Pará lança validação automatizada de Cadastro Ambiental

Tecnologia promete acelerar o hoje moroso processo de análise da regularidade de propriedades rurais no estado. Em 11 anos, menos de 4% dos CAR paraenses foram validados

Cristiane Prizibisczki·
6 de agosto de 2023

O estado do Pará lançou, na manhã do domingo (6), uma ferramenta de validação automatizada do Cadastro Ambiental Rural (CAR) que promete acelerar o processo de análise das cerca de 300 mil propriedades rurais paraenses. Com a ferramenta, 43.321 CARs saíram da fila de análise.

O Cadastro Ambiental Rural (CAR) é um registro público eletrônico, obrigatório para todos os imóveis rurais do país, com a finalidade de integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais. 

Tais informações são fundamentais na elaboração de políticas públicas voltadas para o monitoramento, planejamento ambiental e econômico e no combate ao desmatamento.

No Pará – estado que historicamente está entre os maiores desmatadores da Amazônia e atualmente é o maior, responsável por 35,8% do desmatamento ocorrido entre 1º de agosto de 2021 e 31 de julho de 2022 – menos de 4% (11 mil) dos cerca de 300 mil CAR cadastros haviam sido analisados, desde a criação da obrigatoriedade do registro, em 2012.

“Nós iríamos levar mais de 20 anos para completar a análise do CAR, com a metodologia que estava sendo utilizada”, disse o Secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará, Mario O’ de Almeida.

Segundo o governo paraense, o chamado CAR 2.0 é formado por uma estrutura de big data que usa algoritmos e códigos capazes de cruzar dados de diferentes fontes e, a partir da análise da posição geográfica da propriedade, atestar se existem irregularidades, como sobreposições a Terras Indígenas ou Unidades de Conservação.

Os 43,3 mil CAR validados por ocasião do lançamento da iniciativa não apresentavam pendências.

O novo sistema paraense também identificou que, do universo de propriedades rurais no estado, 55 mil cadastros foram identificados como tendo passivos ambientais, como déficit de Reserva Legal e déficit de Área de Proteção Permanente. Eles foram encaminhados para o processo de adesão ao Plano de Regularização Ambiental (PRA).

Outros 108 mil imóveis foram encaminhados para retificação. “A gente tem que lembrar que o CAR é autodeclaratório. Esses 108 mil casos serão enviados ao responsável para que seja feita a correção”, explicou Thomas Klen, gerente da empresa que ajudou a desenvolver a plataforma, a EloGroup.

Cerca de  70,4 mil outros cadastros foram encaminhados para análise manual. “Estamos fazendo uma combinação entre a análise manual e a tecnologia que está sendo implementada. As soluções tecnológicas não excluem análise manual”, explicou Klen.

Inteligência Territorial

Além do CAR 2.2. o governo paraense também lançou uma nova plataforma digital que integra informações ambientais, fundiárias e produtivas no estado. Chamada de Módulo de Inteligência Territorial (MIT), a nova ferramenta será usada no aprimoramento dos processos de gestão territorial e de cadeias de produtos paraenses, como a pecuária.

Sobreposições de Cadastros Ambientais Rurais (CAR) com Terras Indígenas, Unidades de Conservação, Quilombos, assentamentos, pedidos de lavra minerária e desmatamento em imóveis que já estão no Programa de Regularização Ambiental (PRA) são alguns dos mais de trinta relatórios parametrizados disponíveis no sistema.

“Esse é um dia histórico e um divisor de águas para aquilo que estamos construindo no presente, mas, acima de tudo, assegurando o futuro da Amazônia e particularmente do estado do Pará”, disse o governador paraense Helder Barbalho.

Os anúncios do governo paraense foram feitos dentro das atividades dos Diálogos da Amazônia, que antecedem a cúpula de presidentes, em Belém.

*Atualizado às 11h18, do dia 10 de agosto de 2023.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Análises
25 de maio de 2022

Onde Estamos? Balanço dos 10 anos do Código Florestal

Podemos olhar estes 10 anos como um copo meio cheio ou meio vazio. Embora a implementação da lei ainda constitui um desafio importante, isso não significa que os estados não avançaram com esta agenda

Salada Verde
12 de maio de 2023

Federação de produtores rurais do Pará preside órgão que media conflitos agrários no estado

Ministério Público e Defensorias contestam nomeação da Faepa para a função, por entenderem que entidade pode ser parcial em suas decisões

Reportagens
2 de agosto de 2023

Sociedade civil envia sugestões à Cúpula da Amazônia para evitar colapso do bioma

52 organizações assinam protocolo com medidas de proteção à floresta e seus povos. Presidentes de oito países inseridos no bioma, mais Congos e Indonésia, estarão presentes em Belém, na próxima semana

Mais de Bubble Beauty

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários2

  1. Cinthiadiz:

    Há incoerências na matéria. Primeiro, o título afirma que o Pará é o maior desmatador da Amazônia, sendo que esse título é do Mato Grosso, com dados comprovados. Segundo, no decorrer da matéria o Pará é citado como um dos maiores desmatadores e não como o maior desmatador como afirma o título da matéria. Terceiro, a plataforma de análise automatizada do CAR está citada incorretamente, pois não é CAR 2.2 e sim CAR 2.0.


    1. Cara Cinthia, o título não está errado pq depende para onde você olha. Em proporção ao tamanho da floresta, o MT é o maior, mas ao total de área é o Pará. Se formos olhar apenas em relação ao ano passado (PRODES), o Pará é o atual maior desmatador. Vou corrigir para deixar mais claro na matéria. Sobre o CAR 2.2, foi erro de digitação. Muito obrigada pelo olhar atento. Abraços