Notícias

Google impulsiona desinformação do Brasil Paralelo sobre Fundo Amazônia

Buscador traz como primeiro link em sua pesquisa uma postagem da produtora que mente e distorce sobre o funcionamento do fundo e evoca teorias conspiratórias

Roberto Kaz·Leila Salim·Claudio Angelo·
14 de fevereiro de 2023

Imagine que você busca uma informação sobre o sistema de urnas eletrônicas – e o primeiro link que o buscador da internet te mostra é uma live do ex-presidente Jair Bolsonaro. Ou que você busca entender sobre globalização – e o navegador te indica o blog do ex-chanceler Ernesto Araújo ou algum livro do finado Olavo de Carvalho.

Pois é o que tem acontecido, no Brasil, quando um usuário do Google tenta se inteirar sobre o funcionamento do Fundo Amazônia. Apesar das centenas de reportagens existentes sobre o tema, de fontes com credibilidade, como o próprio site do fundo no BNDES, o primeiro link a figurar como resposta até a noite desta segunda-feira (13) era do site Brasil Paralelo – plataforma de conteúdo negacionista que voou em céu de brigadeiro, com lucro recorde, durante os quatro anos de desgoverno Bolsonaro.

Sim, o Google apresenta um site de conteúdo conspiratório quando alguém procura se inteirar sobre um dos mecanismos mais importantes de proteção à Amazônia. O chamado “ranqueamento” é alto porque o Brasil Paralelo paga por isso: o modelo de negócios do Google inclui um “leilão” de palavras-chave, e quem paga mais por elas sobe nas buscas. Esse vem sendo um problema para combater conteúdo desinformativo em várias plataformas.

Fakebook.eco procurou o Google e atualizará este post assim que obtiver resposta. Enquanto o problema não é sanado – e esperamos que isso ocorra rapidamente –, fizemos uma checagem para desmentir algumas lorotas ali apresentadas.

*

“Todas as vezes que crescem os números de emissão de CO2 ou os índices de desmatamento, o governo norueguês solta duras críticas ao governo brasileiro.”

NÃO É BEM ASSIM

O Brasil passou quase 15 anos sem ouvir críticas internacionais por causa do desmatamento, porque havia uma política pública para combatê-lo. Em 2015, por exemplo, o desmatamento subiu e a Noruega não só não criticou o Brasil como prorrogou a contribuição ao Fundo Amazônia, por entender que as medidas de controle estavam sendo adotadas. As críticas internacionais começaram em 2019, quando o governo de Jair Bolsonaro revogou o Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia e levou a devastação a sua maior alta percentual desde o início da série histórica do Inpe.

“Mas foi descoberto que o país nórdico é o principal acionista da mineradora Hydro. Esta mineradora possui 34,3% das ações da empresa considerada a maior responsável pelos altos números da poluição na Amazônia.”

FALACIOSO

Aqui o Brasil Paralelo lança mão de um truque argumentativo conhecido como falácia “non sequitur”. Mesmo que a Hydro seja a maior poluidora da Amazônia, e ainda que o governo norueguês detivesse 100% das ações da empresa, não decorre disso que haja problema com o Fundo Amazônia, porque não existe nenhuma relação entre ambos.

“E, por trás da bela bandeira da mídia de defesa do meio ambiente, os países estrangeiros vêm tomando posse do território e das riquezas brasileiras.São áreas sobre as quais o Brasil não possui soberania, cujas atividades de preservação ou exploração local são administradas por ONGs.”

FALSO

A tese da “cobiça estrangeira” sobre a Amazônia é propalada desde 1960, quando o ex-governador do Amazonas Arthur César Ferreira Reis publicou o livro “Amazônia e Cobiça Internacional”. A teoria da conspiração colou no imaginário dos militares, mas fato é que até hoje nenhum país estrangeiro se apossou de nenhum milímetro da Amazônia, nem existe um local da região sequer sobre o qual o Brasil não possua soberania. O mais perto que se chegou disso foram empresas multinacionais trazidas pelos militares que compraram a preço de banana vastas porções de terra, como o Projeto Jari, do americano Daniel Ludwig (mais de 1 milhão de hectares entre o Pará e o Amapá), e a fazenda Vale do Cristalino, da alemã Volkswagen (139 mil hectares no Pará).

“Há inúmeros indícios de contratos superfaturados e gastos excessivos nos projetos do Fundo.”

FALSO

O ex-ministro Ricardo Salles tentou, mas não conseguiu, demonstrar irregularidades nos contratos do Fundo Amazônia, que são duplamente auditados. Salles chegou a chamar uma entrevista coletiva em 2019 para denunciar supostas irregularidades, mas foi incapaz de apontá-las.

“Investir no Fundo Amazônia se mostrou um negócio altamente lucrativo: pois assim há possibilidade de explorar riquezas acessíveis apenas em pequenas faixas da Amazônia, sem ninguém mais para reclamar a posse desse bem, e ainda recebendo licitações milionárias do governo para a atividade.”

FALSO

Os recursos do Fundo Amazônia são doações internacionais, liberadas mediante verificação da redução da taxa de desmatamento. A governança foi estabelecida pelo próprio Brasil e é executada pelo BNDES, sob orientação de um comitê de projetos (COFA) e um comitê gestor (CFTA). Nenhum país “investe” no Fundo Amazônia; trata-se de doação a fundo perdido.

“Tudo isso, contando com a blindagem dos contratos. Os projetos feitos com capital do Fundo Amazônia não são auditáveis.”

FALSO

Desde 2010, o Fundo Amazônia passa anualmente por uma auditoria contábil, que avalia a veracidade dos saldos registrados nas demonstrações financeiras e outra auditoria que avalia o cumprimento das exigências presentes no decreto que o criou e nas diretrizes e critérios estabelecidos pelo Cofa. Ao longo desses anos não foram constatados fatos que caracterizassem irregularidades relevantes.

Em relação a um levantamento enviado pelo MMA apontando supostas fragilidades nos contratos do fundo (a mesma justificativa usada por Salles em 2019), a CGU (Controladoria Geral da União) afirma que “há muitas informações incompletas sem conclusões evidenciadas sobre a efetiva identificação das fragilidades”, e que “não foi possível identificar a indicação de deficiências ou lacunas que demandassem a interrupção das operações”. Entre outras mentiras, o ministério citou, em resposta à CGU, reuniões que nunca ocorreram com os países doadores.

“O aquecimento global é considerado uma certeza pela maior parte do movimento ambientalista. Essa teoria legitima a maior parte das ações do movimento, como o fundo Amazônia. Todavia, nem todos são unânimes em relação ao aquecimento global.”

VERDADE, MAS

O consenso científico sobre o aquecimento global é de 97% ou 99% dos especialistas no tema, dependendo de como ele é medido. Para efeito prático, virtualmente nenhum especialista em clima discorda da realidade do fenômeno e de suas causas.

“Em 2011, mais de 5 mil e-mails de cientistas da University of East Anglia vieram à público provando que pesquisadores esconderam evidências que questionavam a influência humana sobre o aquecimento global. Nas mensagens, os cientistas combinaram esconder todos os dados que demonstravam não haver influência do ser humano nas alterações climáticas.Os estudiosos falaram que estavam sofrendo pressão política do Departamento de Assuntos Ambientais, Alimentares e Rurais (DEFRA), que insistia em passar uma “mensagem forte” ao governo do Reino Unido.”

FALSO

Primeiro, o “Climagate”, como ficou conhecido o caso do vazamento dos emails da Unidade de Pesquisa Climática da Universidade de East Anglia, é de 2009, não de 2011. Segundo, os cientistas que tiveram seus e-mails vazados foram todos investigados por dois comitês independentes e nenhuma evidência foi encontrada de má conduta científica.

“O professor e pesquisador em geografia da USP, Ricardo Felício, demonstra com dados científicos o ponto de vista oposto ao apresentado pelo establishment. Não se trata de negar mudanças climáticas, mas sim discutir se o homem influencia ou não esse processo e até que grau o planeta aquecerá (ou esfriará).”

FALSO

Ricardo Felício, professor do Departamento de Geografia da USP, não tem em seu currículo Lattes nenhum trabalho científico sobre mudança climática em periódicos com revisão por pares. Virtualmente toda a sua produção acadêmica questionando o aquecimento global foi publicada na obscura revista Fórum Ambiental da Alta Paulista, cujo conselho editorial ele mesmo integrou durante anos.

Felício também divulga “verdades alternativas” quando o assunto é Covid-19. Combateu a vacinação e defendeu o tratamento criminoso à base de cloroquina, sem comprovação científica, durante a pandemia responsável por quase 700 mil mortes no Brasil. Alguns de seus vídeos foram retirados do YouTube por ordem judicial. Já na USP, Felício teve uma sindicância aberta na Procuradoria-Geral da universidade, por ter decidido não mais dar aulas, de forma unilateral, sem comunicar a instituição.

 “(…) Ricardo Salles buscou desmanchar os comitês organizadores (COFA e o CFTA), de modo a mudar a estrutura do fundo e reformular sua base operativa. Visando garantir mais transparência na aplicação dos recursos. A reação da Noruega e da Alemanha foi imediata: alegaram que as mudanças representavam um rompimento contratual, assim não investiriam mais no fundo, nem seria possível usar o capital lá alocado.”

FALSO

O Fundo Amazônia está paralisado porque um decreto do presidente Jair Bolsonaro de abril de 2019 extinguiu o seu Comitê Orientador e seu Comitê Técnico-Financeiro, que estabeleciam os critérios e diretrizes para aplicação dos recursos. Isso comprometeu a governança do fundo, descumprindo acordo entre o Brasil e os países doadores (Noruega e Alemanha) e impossibilitando novos repasses. A paralisação do Fundo Amazônia foi contestada por partidos políticos no STF e o governo foi condenado a reativá-lo.

  • Roberto Kaz

    É jornalista. Autor do Livro dos Bichos, pela Companhia das Letras.

  • Leila Salim

    Jornalista e doutora em Comunicação e Cultura pela ECO/UFRJ. Repórter com experiência em fact-checking, políticas públicas e direitos humanos.

  • Claudio Angelo

    Jornalista, coordenador de Comunicação do Observatório do Clima e autor de "A Espiral da Morte – como a humanidade alterou a ...

Leia também

Reportagens
4 de setembro de 2019

Por que, afinal, Noruega e Alemanha doam recursos para o Brasil? O Fundo Amazônia em 10 perguntas e respostas

Super Fruits Slot buscou relatórios oficiais, ouviu ex-ministros , funcionários do BNDES e pesquisadores para responder às principais dúvidas que circulam na internet sobre o Fundo Amazônia

Reportagens
17 de maio de 2019

Embaixada da Alemanha e entidades ambientais contradizem declarações de Salles sobre Fundo Amazônia

Em coletiva, ministro do Meio Ambiente afirmou que há irregularidades em contratos do Fundo Amazônia. Auditoria foi feita pelo MMA sem apoio da Controladoria-Geral da União

Notícias
12 de agosto de 2021

Mourão repete críticas infundadas feitas por Salles ao Fundo Amazônia

Em evento online sobre mecanismo internacional de financiamento, vice-presidente criticou custos com recursos humanos em projetos do Fundo

Mais de Super Fruits Slot

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários3

  1. Andersondiz:

    Texto completamente tendencioso, a maioria das respostas são cheias de ataques. Sugiro que selecionem uma das tantas respostas e procurem no Google… ei procurei a da mineradora e……….


  2. Eleonor Machado da Silvadiz:

    Não intendi. Achei o testo muito tendensioso.


  3. Keyla Kenyadiz:

    Oi pessoal, não consegui compartilhar matéria.