Notícias

Criminosos armados invadem base do ICMBio em Rondônia, expulsam servidores e iniciam incêndio

Ataque à base da Rebio Guaporé foi na madrugada de segunda (22), e as chamas foram rapidamente controladas; PF investiga, e funcionários acreditam se tratar de retaliação

Gabriel Tussini·
24 de janeiro de 2024

Uma base do ICMBio na Reserva Biológica (Rebio) do Guaporé, em Rondônia, foi parcialmente incendiada por criminosos na madrugada desta segunda (22). Três homens armados expulsaram os servidores que estavam de plantão no local, no limite da unidade próximo ao distrito de Porto Murtinho, em São Francisco do Guaporé (RO), jogaram diesel por toda a base e iniciaram um incêndio, fugindo em seguida. As chamas foram rapidamente apagadas pelos próprios servidores, que retornaram. Ninguém se feriu e, até o momento, ninguém foi preso. A Polícia Federal investiga o caso.

Segundo uma das servidoras da área, que preferiu não ser identificada, o incêndio foi controlado antes que se espalhasse para além de uma pequena parte da varanda da base. Segundo o portal local Rota Comando, primeiro a noticiar o caso, os criminosos fugiram numa embarcação a remo “no sentido rio abaixo”. A base fica em frente ao rio São Miguel, que no sentido mencionado desemboca no rio Guaporé, marco da fronteira entre Brasil e Bolívia. Segundo a servidora, não há registros do ataque em câmeras de segurança.

Imagem de satélite da base atacada, em frente ao rio São Miguel e ao distrito de Porto Murtinho. Na parte inferior da imagem, atrás da base, começa a área da Rebio Guaporé (linha vermelha). Fonte: Google Earth e ICMBio
Base atacada vista da margem oposta do rio São Miguel, em Porto Murtinho. Imagem: frame de vídeo do Canal Laboratório de Sementes no YouTube

As equipes do ICMBio vinham coibindo crimes ambientais na reserva, alvo constante de pecuária, caça e pesca ilegais, segundo artigo publicado em 2020. Operações contra as atividades vinham ocorrendo, inclusive com flagrantes de indivíduos armados. Segundo a gestora contatada pela reportagem, os servidores acreditam que o ataque possa ter sido uma retaliação por suas atividades, mas por enquanto não há “nada confirmado”. Segundo ela, o local segue em funcionamento, e a Polícia Militar foi mobilizada para garantir a segurança dos funcionários e do patrimônio “em permanência continuada nas bases do ICMBio na região”.

Sobre a reserva

ARebio Guaporé fica próxima a outras unidades de conservação, como a Reserva Extrativista do Rio do Cautário – administrada em conjunto por meio do Núcleo de Gestão Integrada Cautário-Guaporé – e a Terra Indigena (TI) Uru-Eu-Wau-Wau, além de fazer divisa com a TI Massaco (sobreposta à maior parte da Rebio), a TI Rio Branco e a Reserva Extrativista Pedras Negras, essa administrada pelo estado de Rondônia.

Mapa da Rebio Guaporé e áreas próximas, com a TI Massaco sobreposta e também destacada. Fonte: Instituto Socioambiental

A região é parte de um ecossistema de transição entre o Cerrado e a Amazônia. Os afluentes do rio Guaporé na região, como o São Miguel, são rios de planície que, na época de cheia, alagam os campos. Essa característica, segundo o artigo já mencionado, faz com que a área tenha também características semelhantes ao “pantanal mato-grossense, apresentando espécies características desses três ecossistemas, o que garante à REBIO características de flora e fauna de grande biodiversidade e relevância para a conservação da natureza”.

Tudo isso faz com que a reserva seja “a Unidade de Conservação com maior diversidade de paisagens de todo o Estado de Rondônia”, segundo o WikiParques. A Rebio Guaporé é classificada como uma Área Úmida de Importância Internacional (Sítio Ramsar), como de “Extrema Importância” para conservação de aves pelo Programa Nacional de Diversidade Biológica (PRONABIO), assim como uma Área Importante para Conservação de Aves pela ONG BirdLife International.

Rebio Guaporé. Foto: ICMBio
  • Gabriel Tussini

    Estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), redator em 20bet e interessado em meio ambiente, política e no que não está nos holofotes ao redor do mundo.

Leia também

Salada Verde
27 de setembro de 2023

Grileiros queimam casa de extrativista em reserva no oeste de Rondônia

Morador perdeu tudo no incêndio. Área que deveria ser protegida é desmatada e tem milhares de cabeças de gado

Notícias
18 de setembro de 2023

Projeto de restauração florestal na Amazônia é vítima de incêndio criminoso

360 mil árvores foram perdidas para o fogo. Projeto tentava reflorestar área desmatada dentro de unidade de conservação em Rondônia

Notícias
21 de março de 2023

Pressionados por invasões, Karipuna agora são impactados por cheia do rio Jaci-Paraná

Para liderança indígena, construção das usinas do Madeira influenciam enchentes frequentes e intensas na região. Hidrelétricas são heranças dos governos Lula e Dilma Rousseff

Mais de 20bet

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.