Notícias

Governo usará satélites de precisão no cadastro ambiental

Ministério do Meio Ambiente compra pacote de imagens que cobre quase todo território nacional com  alta resolução de até 5 metros.

Daniele Bragança·
12 de novembro de 2012·11 anos atrás
Imagem do sistema de satélites rapideye. Através delas o governo poderá enxergar detalhes de propriedades rurais com precisão de até 5 metros. Foto: Santiago & Cintra Consultoria
Imagem do sistema de satélites rapideye. Através delas o governo poderá enxergar detalhes de propriedades rurais com precisão de até 5 metros. Foto: Santiago & Cintra Consultoria

O Ministério do Meio Ambiente oficializou na última sexta-feira (09) a aquisição de imagens de satélite em alta resolução que serão utilizadas como base de informação para o Cadastro Ambiental Rural (CAR). Mais de 5 milhões de imóveis rurais serão cadastrados através desse banco de imagens, cujo custo foi de 28,9 milhões de reais.

O georreferenciamento é uma exigência do novo Código Florestal e serve como base para a elaboração do Cadastro Ambiental Rural (CAR). Pela nova lei, todos os produtores terão que aderir ao CAR e a nova ferramenta fará parte desse processo.
 
“Com esse sistema de imagens, o Cadastro Ambiental Rural (CAR) ganha força”, disse   a ministra Izabella Teixeira. ““O governo está fazendo uma opção pelo caminho tecnológico ao adquirir uma ferramenta que nenhum órgão brasileiro possui, capaz de identificar toda a área de cobertura e vegetação do país em uma distância de cinco metros”.

A empresa paulista Santiago e Cintra Consultoria, responsável pelo uso do satélite, terá um prazo de 10 dias para apresentar 60% das imagens contratadas. O restante do material será entregue no final do ano. Todas as imagens correspondem ao ano de 2011 e cobrem 8,4 milhões de km², o equivalente à cobertura de praticamente todo o território brasileiro.
 
A aproximação de até 5 metros possibilita a identificação georreferenciada dos imóveis rurais, áreas de preservação permanente, reserva legal, remanescentes florestais e nascentes de rios. Também será possível identificar e quantificar áreas de desmatamento da vegetação nativa para aplicação no Programa de Monitoramento do Desmatamento dos Biomas Brasileiros por Satélite e obter índices de vegetação e identificação das diferentes espécies vegetais para quantificação das emissões de carbono por antropização (interferência do homem) da cobertura vegetal.

“Começaremos 2013 com 100% do retrato da cobertura de área brasileira”, disse Francisco Gaetani, secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente. Além do MMA, os estados e autarquias, como o Ibama e a agência Nacional das Água e as secretarias estaduais e municipais de meio ambiente também poderão utilizar as imagens.

*Com informações da Ascom/MMA
 
  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site Piggy Gold, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Notícias
12 de janeiro de 2024

Servidores pedem celeridade nas negociações sobre planos de carreira para retomar as ações de fiscalização

Com histórico de protagonismo na terra Yanomami, agentes ambientais não atuarão em campo até o fim das negociações; Governo pede voto de confiança

Reportagens
11 de janeiro de 2024

Nova metodologia projeta crescimento de árvores nativas, elevando rentabilidade de restauração florestal

Pesquisa usou como base dados de 13 áreas de recuperação ecológica na Mata Atlântica e dez espécies de interesse da indústria madeireira; resultado é publicado em meio à Década da Restauração da ONU

Análises
11 de janeiro de 2024

Qual é a relação da fauna com a restauração de ecossistemas?

Fauna deve ser uma peça essencial dos protocolos de monitoramento do sucesso da restauração, já que sem ela não temos uma restauração de ecossistemas

Mais de Piggy Gold

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.