Fotografia

Jonny Gitti e seu simples olhar

Jonny Gitti é um fotógrafo transmite esperança na vida. Em seu olhar, flores, insetos são meros representantes de um mundo que não lhe pertence, onde é apenas um visitante.

Adriano Gambarini·
22 de fevereiro de 2008·16 anos atrás

VasculhandoO Eco por alguma inspiração, cai nas palavras denunciantes sobre o rio São Francisco, e devo confessar que doeu a alma. Naveguei pelo Velho Chico pela primeira vez em 1989, quando as barrancas, suas águas e matas ciliares ainda emanavam um tanto de esperança. Na véspera da virada do milênio foi minha segunda viagem e agora, dois anos atrás, trabalhei para o Ministério do Meio Ambiente na documentação do Programa de Revitalização. Atônitos foram meus olhares sobre o mesmo cenário. Tão familiar e ao mesmo tempo tão incômodo. Apesar de ter fotografado uma beleza ímpar em certos trechos do rio, animais silvestres e uma cultura ribeirinha deliciosa de se conviver, trazer este assunto em forma de imagens seria mais um ensaio-denúncia, não poderia deixar de ser. Então resolvi desencantar um outro trabalho, daqueles que, pelo menos, nos dão uma réstia de bem estar.

A demora para publicação deste ensaio começou com o próprio autor, afinal Jonny Gitty é uma pessoa que prefere escrever no papel, para depois transcrever para o Word. Só isto já o torna alguém fora deste avassalador mundo moderno. Além disso, o fato de ser um fotógrafo que atua no mercado de moda e publicidade, e ter começado profissionalmente já na era digital, é suficiente para alguém torcer o nariz e me perguntar “o que faz ele aqui?”. Mas são justamente estes antagonismos que me agradam, histórias de quem vê o meio ambiente com aquele olhar de contemplação pura, ingênua. Em que flores, insetos são meros representantes de um mundo que não lhe pertence, onde é apenas um visitante. Em seu dileto prazer de fugir das agruras da luz precisa dos estúdios e se enveredar na fotografia de plantas e animais, tem a grata sensação de que aquelas fotos poderão, um dia, servir para proteger quem esteja sendo fotografado.

Jonny começou em 1998 com a lendária Zenit, aquela câmera ‘trator’ russa. “Fotografava patinhos, pardais, poste, pombos, tudo que tivesse na minha frente” comenta. Com altos e baixos, tentou vestibular para publicidade, faltou grana, começou a fotografar desfiles de moda. Freqüentou palestras, workshops, cursos gratuitos, e hoje é diretor de arte e fotografia de uma pequena agência de design.

Nota-se uma preocupação estética nas fotos, a colocação de regras fotográficas dando leveza na leitura e uma luz bem interessante. Mas acima destes quesitos que servem muito bem para uma explanação sobre os princípios fotográficos, vi em seu trabalho algo lúdico e infantil, não no sentido de pouco aprimoramento técnico, pelo contrário. Enxerguei aquela crença que as crianças carregam nas palavras sinceras, no acreditar que as coisas podem melhorar, que tudo tem solução; em afirmações como ‘o importante é proteger’. E num momento ambiental tão crítico que nosso planeta vive, nada melhor do que a simplicidade de um olhar ainda não contaminado pelos desgostos ambientais que vivemos. Um suspiro de otimismo, de fé, de perceber “que nunca termina, sempre começa, é e sempre será assim”, nas palavras do autor.

  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Leia também

Salada Verde
9 de janeiro de 2024

Inscrições para bolsas-reportagens sobre energia solar vão até semana que vem

Iniciativa é do Plano Nordeste Potência e terá como foco matérias que falem da zonas rurais nordestinas; Jornalistas de todo o país tem até o dia 15 para concorrer a 3 bolsas de R$ 5 mil cada

Reportagens
9 de janeiro de 2024

Fiscais ambientais cobram ação de governo para reestruturação da carreira

Frustrados pela lentidão nas negociações com ministério da Gestão por melhorias na carreira, agentes ambientais paralisam atividades de campo por tempo indeterminado

Salada Verde
9 de janeiro de 2024

Em meio à volta de garimpeiros, Lula cobra mais esforços e promete ações na Terra Indígena Yanomami

Durante reunião ministerial, presidente afirmou que “as terras indígenas tem dono”; no fim do ano, Justiça determinou novo plano de ações após MPF apontar ineficácia do governo

Mais de Fortune Ox

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.